O grande desafio de colocar centenas de pessoas trabalhando de casa da noite para o dia

Antes da adoção do modelo de home office por conta da Covid-19, nenhum colaborador da Certisign trabalhava remotamente. Em menos de um mês, o modelo não apenas provou que funciona, como será mantido no futuro, conheça esse case de sucesso.
No último mês, muitas empresas precisaram transformar a casa de equipes inteiras em escritório, garantindo a segurança das informações e a tranquilidade dos colaboradores. E nós da [N]umbers implementamos a tecnologia de VDI para home office em dezenas de empresas e se antes a implantação poderia levar em média 6 meses, no momento atual o cenário foi completamente acelerado. 
“As empresas eram mais conservadoras antes deste cenário de COVID, existem alguns entraves culturais ou até mesmo as áreas de tecnologia tinham receio sobre o modelo, o que hoje foi desmistificado”, relembrou Rodrigo Morelli, cofundador da [N]umbers. 
Entre vários cases, um se destacou pela implantação que praticamente aconteceu da noite para o dia, que foi o caso da Certisign, empresa líder e pioneira em certificação na América Latina, a empresa emitiu mais de 10 milhões de certificados e está presente em mais de 2.200 locais de atendimento. 
Realidade prévia da Certisign
Na sexta-feira, 13 de março, recebemos a ligação do gerente de Recursos Humanos da Certisign com o desafio de homologar 220 pessoas em home office até o domingo, dia 15, em um cenário onde nenhum colaborador da empresa, que além da matriz, possuem mais 8 escritórios no Brasil, trabalhava remotamente antes.
Com o desafio aceito, as equipes trabalharam em conjunto, e em 3 dias entregamos as 220 posições homologadas para colaboradores das principais áreas de negócio. “Nossa empresa não tinha a cultura do home office e jamais esperava colocar tantas pessoas para trabalhar de casa, com um desafio de envolver profissionais de diversas áreas em tão pouco tempo, fazendo praticamente o impossível”, ressaltou Mário Sérgio Sampaio, gerente de RH da Certisign. 
As ferramentas foram configuradas com segurança e customizadas de acordo com as necessidades da Certisign e assim um processo que costuma ser lento foi realizado em 3 dias, aliando a expertise da [N]umbers, decisões rápidas do cliente e colaboração entre as equipes. 
“Um dos pontos principais pontos de atenção para nós da Certisign era a segurança e confiabilidade, já que somos uma empresa que fornece certificados digitais, então precisávamos garantir que essa segurança permanecesse no trabalho remoto”, completou Mário. 
A solução de VDI implementada garante: 
Mais agilidade: Experiência mais rápida porque a configuração dos recurso é ajustado individualmente e não depende de hardware ou conexão individual. 
Mais segurança: Ao contrário de outros sistemas, cada máquina trabalha independentemente das outras e várias camadas de segurança podem ser configuradas. Por exemplo, a entrada de USB pode ser bloqueada, para que o usuário não copie nenhum dado.  
Mais performance: Como o processamento é feito no servidor, o hardware do usuário final não impacta na experiência de trabalho. A VDI permite que ajustes sejam replicados para todos os usuários de maneira simples e rápida. 
Resultados já percebidos pela Certisign  
Após VDIs homologadas, o time focou na comunicação com os colaboradores, a fim de entender questões de infraestrutura na casa de cada colaborador que levaram suas máquinas, além de oferecerem treinamento intensivo nas primeiras 48 horas. 
Enquanto os gestores têm mais contato diário com os colaboradores, as tarefas diárias mais estruturadas o que garante uma maior entrega. A Certisign realizou uma pesquisa interna com o seus colaboradores que mostrou que 97% estão muito satisfeitos com o trabalho remoto. Com essa mudança cultural já percebida agora a empresa pretende realizar novas contratações para atuar nesse modelo. 
E o home office contínua pós crise? 
Para Emran Said, cofundador da [N]umbers, o grande aprendizado que a crise trouxe e de que o home office realmente funciona. “Com certeza várias outras empresas vão olhar para este modelo com outros olhos, pois o que antes era inimaginável, agora foi implantado de uma hora para a outra”, destaca. 
A [N]umbers acredita que o número de posições de trabalho remoto vão continuar crescendo mesmo após a crise, e com o passar do tempo os projetos ganham força nas empresas e serão realizados de maneira planejada. 
Quer saber mais sobre o case da Certisign e outros assuntos sobre Home Office e a crise? Assista aqui à gravação do webinar sobre o tema:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *